Setor de Pesquisa

O setor se dedica a variadas linhas de pesquisa e áreas temáticas. Está estruturado de forma a possibilitar que haja pessoas dedicadas à atividade investigativa, e tenta aperfeiçoar a demanda institucional em prol de uma atuação conjunta entre os profissionais da área técnica.

Assim, o setor de pesquisa trabalha em consonância com o setor de museologia, e ambos atuam em prol do setor educativo. Da mesma forma, este gera demandas que vêm a ser supridas pelos setores de pesquisa e de museologia.

Linhas de pesquisa: 


Institucional

Pesquisas de Público

As pesquisas de público pretendem abarcar três níveis de estudo e análise. Em um primeiro plano, o objetivo é conhecer os contextos pessoal e social da visita, o perfil dos visitantes e a sua opinião sobre o museu. Em um segundo plano, o objetivo é fazer um diagnóstico sobre o Programa de Educação Ambiental, com vistas ao conhecimento das percepções dos envolvidos no processo. Em um terceiro e último plano, pretende-se implementar uma pesquisa que objetiva verificar o (des)conhecimento do museu por parte dos visitantes da praia de Itaipu e arredores do MAI/MUSAI, que visa a saber por que grande parte do público da praia não visita o museu.

Cadastro de Pesquisadores

Trata-se de um cadastramento dos pesquisadores que solicitam a consulta aos arquivos do MAI/MUSAI ou vêm em busca de entrevistas com os funcionários da instituição para a realização de trabalhos diversos, sejam técnicos, sejam de literatura. Até o momento, existe o registro de mais de uma dezena de pesquisadores de diversas áreas de estudo, todos eles vinculados a alguma instituição de ensino, tanto pública quanto privada.

O cadastro tem permitido o estabelecimento de diálogos possíveis entre as distintas áreas e a troca de informação entre os próprios pesquisadores e o museu. Suas pesquisas, focadas na instituição, têm sido de enorme auxílio para um olhar crítico sobre nossas atividades e acréscimo da bibliografia específica sobre o MAI/MUSAI.


Histórica e Arqueológica

Pesquisa Histórica

Volta-se para o estudo da história do Recolhimento de Santa Teresa e para a busca de documentação relativa ao funcionamento da instituição. Para tentar sanar a dificuldade de reconstruir a história do antigo recolhimento, o museu mantém um calendário de incursões a arquivos e centros de documentação.

Um passo importante, também, foi o convênio assinado entre o MAI/MUSAI e o grupo de pesquisa Cultura documental, religião e movimentos sociais, do Centro de Ciências Humanas e Sociais da UNIRIO, através do projeto de pesquisa intitulado “Remanescentes do Recolhimento de Santa Teresa: prospecções sobre usos e funções de um lugar de memória da freguesia de São Sebastião de Itaipu - séc. XVIII ao séc. XXI”.

Pesquisa Arqueológica

Desmembra-se em duas abordagens: a da arqueologia histórica e a da arqueologia pré-histórica. A primeira tem como objetivo a escavação dos pátios das ruínas do Recolhimento e visa a buscar elementos que possam caracterizar seus usos. A segunda objetiva escavação no sítio Duna Grande.

A proposta de escavação dos pátios das ruínas do antigo Recolhimento e de seu propiciará a oportunidade a pesquisadores de várias de traçarem com mais exatidão a história da instituição, e parte da história da sociedade brasileira à época colonial. Os vestígios de cultura material que por ventura forem encontrados ajudarão a recompor parte desta história, e proporcionarão material para exposições no próprio MAI/MUSAI. Além disso, poderão ser implementados projetos educativos e visitações mais atrativas e especializadas, após o trabalho de escavação.


Etnográfica

Engloba pesquisas nas comunidades do entorno do museu e tem como objetivos principais: o conhecimento e estreitamento das relações entre essas comunidades e o MAI/MUSAI; a produção de material etnográfico sobre essas comunidades, para integrar o acervo documental, arquivístico e bibliográfico do museu; a produção de suportes documentais para a montagem de futuras exposições; o estabelecimento de parcerias, com a finalidade de criar e manter uma associação de amigos do museu.

Os grupos focados são: os pescadores de Itaipu; as comunidades tradicionais, incluindo a do Morro das Andorinhas; a comunidade Guarani Mbya da aldeia Tekoa Mboy-Ty, de Camboinhas. Além desses, outros grupos podem ser incluídos com o avançar do conhecimento sobre a região.