Setor Educativo

Levando em consideração que os museus têm aprimorado suas atuações no campo educativo, buscando uma ação multidisciplinar e que colabore para a visão do patrimônio cultural como instrumento de transformação social, o Museu de Arqueologia de Itaipu desenvolve suas práticas educacionais a partir deste prisma, abordando em seus projetos os temas que lhe são concernentes. O histórico da ocupação humana na região e aspectos de cunho ambiental são assuntos elencados para figurar nas ações educativas do MAI e são abordados pelos seguintes projetos:


Caniço & Samburá

Conteúdo do kit "Caniço e Samburá"
Projeto que tem como objetivo preparar alunos e professores, através de empréstimo de material elucidativo sobre os assuntos tratados pelo museu, visando estimular e aprimorar o aproveitamento dos alunos no momento da visita ao MAI. No museu, os alunos conhecerão a história do Recolhimento de Santa Teresa, visitarão a Duna Grande, sítio arqueológico que guarda vestígios dos sambaquieiros, além de conhecer a comunidade pesqueira e o entorno da região. Finalizando a visita, os alunos podem participar das seguintes oficinas:


Oficina de escavação - Simulação de escavação em dunas artificiais onde estão enterrados alguns objetos semelhantes àqueles encontrados em pesquisas arqueológicas, a fim de destacar a importância do processo de escavação para o ofício do arqueólogo;

Oficinas de pintura e desenho - Durante a visitação às ruínas e às exposições, os alunos são orientados a observar atenciosamente tudo que está sendo mostrado. Logo após, eles são organizados em um dos pátios das ruínas para reproduzir aquilo que mais chamou a atenção, usando papel, tinta, giz de cera etc. (Oficinas destinadas a alunos mais jovens)


Projeto de Educação Ambiental

Atividade do PEA
Conversa com biólogo e pescador tradicional
O projeto visa abordar a problemática ambiental referente à conservação dos ecossistemas de Itaipu, bem como os recursos naturais lá explorados. Pretende-se estimular o espírito investigativo dos alunos participantes considerando os conhecimentos e costumes da comunidade local, além de estabelecer um estreitamento das relações entre o MAI, as instituições de ensino e a comunidade local, uma vez que as oficinas promoverão a reflexão sobre práticas que visam a conservação dos recursos naturais, da história e do patrimônio cultural local.


 Com duração de aproximadamente seis meses, com um encontro semanal, o Projeto de Educação Ambiental é desenvolvido em diferentes etapas que permitem que os alunos entrem em contato com os conhecimentos desejados de forma gradual. Dentre as etapas do projeto, pode-se destacar a caminhada ao Morro das Andorinhas, para uma observação geral dos ecossistemas da região, seguida de atividades de análise dos mesmos in locus, além de coletas de espécimes pesqueiros na laguna, praia e mangue de Itaipu, entre outras.